sexta-feira, 26 de setembro de 2008

GEOGRAFIA BIBLICA

Geografia bíblica
Somente pontos ca­pitais serão focalizados. Parte do assunto já foi apresenta­da nos capítulos VI e VII que acabamos de estudar.
1. Importância da Geografia Bíblica
a. É o palco terreno e humano da revelação divina.
b. Ela dá cor, localiza, situa, fixa e documenta os rela­tos sagrados. Torna os acontecimentos históricos mais vividos e as profecias mais expressivas. O ensi­no torna-se mais objetivo quando podemos situar os locais onde os fatos se desenrolaram.
c. Sob qualquer aspecto, a geografia das nações circun-vizinhas da Palestina fornece muitos esclarecimen­tos a respeito das Santas Escrituras e suas doutrinas. Geografia, História e Arqueologia Bíblica são assun­tos interligados. Sua compreensão muito auxilia o estudante.
d. As nações vêm de Deus, logo o estudo do assunto à luz da Bíblia é profícuo sob todos os pontos de vista (Dt 32.8; At 17.26). Quando Cristo aqui reinar, as nações continuarão, mas muitas serão destruídas. Porém, o certo é que Cristo reinará sobre nações (SI 2.8; 72.11; 138.4; Dn 7.14; Mq 4.3, etc.)
2. Fontes da matéria (Geografia Bíblica)
a. A Bíblia
A Bíblia faz menção de inúmeros lugares, acidentes geográficos, povos, nações, cidades. É evidente que isto merece um cuidadoso estudo. Há capítulos da Bíblia ocupados quase inteiramente com o assunto (Gn cap. 10; Js caps. 15 e 21; Nm cap. 33; Ez caps. 45-47; Ap caps. 21 e 22 etc.) Somente de cidades da Pa­lestina há menção de cerca de 600.
b. A História Geral é uma grande fonte, quando de boa procedência.
c. A Arqueologia. A Arqueologia bíblica teve seu começo em 1811, com o inglês Claude James Rich.
d. A Cartografia. É ciência antiguíssima. (Ver Ezequiel 4.1.)
3. O mundo bíblico
O mundo bíblico situa-se no atual Oriente Médio e ter­ras do contorno do mar Mediterrâneo. O berço da raça humana é a Mesopotâmia, isto é, as planícies entre os rios Tigre e Eufrates. Daí partiram as primitivas civili­zações. Após a dispersão das raças (Gn caps. 10 e 11), Sem povoou o sudoeste da Ásia; Cão povoou a África, e Canaã, a península arábica; Jafé, a Europa e parte da Ásia. A divisão da Terra em continentes estaria mencio­nada em Gênesis 10.25b. Limites do Mundo Bíblico
1) Norte: Da Espanha ao mar Cáspio
2) Leste: Do mar Cáspio ao mar Arábico (Oceano Indi­co)
3) Sul: Do mar Arábico à Líbia
4) Oeste: Da Líbia à Espanha Regiões, áreas e países do mundo bíblico
Citaremos apenas 17 países
1) Mesopotâmia. Berço da humanidade. Éden adâmico
• Babilônia (país e capital) Caldéia, Sinear, Súmer. É o Sul da Mesopotâmia.
• Assíria. É o Norte da Mesopotâmia. Capital: Níni-ve.
2) Arábia. Capital: Petra. Vai da foz do Nilo ao golfo Pérsico. Peregrinação de Israel. Ofir, a terra do ouro.
3) Pérsia. (Hoje Irã). Capitais: Susa, Persépolis, Parsá-gada, Ecbátana. 0 livro de Ester. Parte do livro de Daniel.
4) Elam. (Hoje incorporado ao Irã). Capital: Susã (Gn cap. 14.1; At 2.9).
5) Média. Norte do Elam. Capital: Hamadã (entre os gregos Ecbátana).
6) Armênia ou Arará
7) Síria ou Arã. Capital: Damasco. Seu território não é o mesmo da Síria moderna (At 11.26).
8) Fenícia (Hoje Líbano, em parte). Cidades: Tiro e Si-dom. Navegantes famosos. Primitivos exploradores. Fundaram Cartago no Norte da África.
1. Egito, é o país mais citado da Bíblia, depois da Pa­lestina. Seu nome é em hebraico Mizraim (Gn 10.6).

Teve várias capitais nos tempos bíblicos. Seu futuro está predito na profecia bíblica, como por exemplo: Ezequiel 29.15. Situa-se no Norte da África.
10) Etiópia. Ao sul do Egito. Conforme Gênesis 2.13, ha­via outra Etiópia na região norte da Mesopotâmia, a chamada "terra de Cush" (heb). A profecia a respei­to da Etiópia no Salmo 68.31 teve cumprimento a partir de Atos 8.26-39. É um país de base cristã até hoje. A Etiópia da Bíblia compreende modernamen­te a Abissínia e a Somália.
11) Líbia. Extensa região da África do Norte. Simão, que ajudou Jesus a levar a cruz, era natural de Cire-ne - cidade da Líbia (Mt 27.32). Igualmente, no Dia de Pentecoste havia cireneus em Jerusalém (At 2.10).
12) Ásia (At 6.9; 27.2; 1 Pe 1.1; Ap 1.4,11). Não era o que hoje conhecemos como o continente asiático. Era uma província romana situada na parte ocidental da Ásia Menor, tendo Éfeso como sua capital. Toda a região da Ásia e Ásia Menor compreende hoje o terri­tório da Turquia.
13) Grécia ou Hélade (At 20.2). A Grécia antiga era co­nhecida pelo nome de Acaia (At 18.12), nome deriva­do dos Aqueus - povo primitivo que a habitou.
14) Macedônia (At 19.21). Fica ao norte da Grécia. A an­tiga Macedônia é hoje parte do território de vários países, a saber: Norte da Grécia, Sul da Bulgária, Iu­goslávia, e parte da Turquia. O ministério do apósto­lo Paulo ocorreu na Ásia Menor, Grécia e Macedô­nia, principalmente. A capital da então Macedônia chamava-se Pella.
15) Ilírico (Rm 15.19). Região européia onde Paulo mi­nistrou a Palavra de Deus. É hoje a Albânia e parte da Iugoslávia. A Iugoslávia mesma é a antiga Dal-mácia de 2 Timóteo 4.10
16) Itália (At 27.1; Hb 13.24). País banhado pelo Medi­terrâneo, situado ao sul da Europa. Em Roma sua capital, foi fundado um diminuto reino em 753 a.C., que mais tarde viria a ser senhor absoluto do mundo. Para a Itália, Paulo viajou e pregou o Evangelho, mesmo como prisioneiro.
17) Espanha (Rm 15.24,28). Paulo manifestou o propósi­to de viajar à Espanha. Segundo os estudiosos da Bíblia, a cidade de Tarsis, mencionada em Jonas 1.3; 4.2, ficava ao sul da Espanha. Era, no tempo de Jonas, o extremo do mundo conhecido do povo co­mum. Foi a Espanha grande perseguidora dos cris­tãos durante a Idade Média, especialmente através dos tribunais da sinistra Inquisição.
Mares do mundo Bíblico
Citaremos por ora apenas cinco deles. Outros serão tra­tados quando abordarmos a Palestina
1) Mar Vermelho (Êx 10.19; 15.4; SI 136.15). Mar origi­nado no Oceano Indico ou mar Arábico. Em sua parte Norte, fica o golfo de Acaba, à direita; e o de Suez, à esquerda. Neste último ocorreu o estupendo milagre da passagem dos israelitas após saírem do Egito, quando o mar fendeu-se (Êx 14.22).
2) Mar Adriático (At 27.27). Parte do mar Mediterrâneo entre a Itália e a Dalmácia. O nome deriva da cidade italiana de Ádria ao norte do referido país. No tempo de Paulo, o referido mar compreendia área maior que a atual, conforme o relato de Atos capítulo 27.
3) Mar Negro. É conhecido na História por Ponto Euxi-no. Situado no Norte da Ásia Menor. Não é citado na Bíblia. (Ponto em grego é mar.)
4) Mar Cáspio. Conhecido como mar Hircano. Situado ao norte da Pérsia. Não é citado na Bíblia.
5) Mar Egeu. Entre a Província da Ásia (na Ásia Me­nor) e Grécia e Macedônia. Aí ficava a pequena Ilha de Patmos, onde o apóstolo João foi exilado (Ap 1.9).
Montanhas do mundo Bíblico
1) Arará. É uma cordilheira (Gn 8.4). Fica na Armênia. Altitude: 5.000 metros. Nessa cordilheira nascem os rios Tigre e Eufrates.
2) Sinai. O mesmo que Fforebe. No Sul da península do Sinai (Êx 19.2ss; SI 106.19). No monte Sinai, Israel recebeu a Lei e teve lugar o pacto entre Deus e seu po­vo. Ali Deus falara antes com Moisés (Êx 3.1ss).
3) Os Líbanos. São duas cordilheiras ao norte da Palesti­na, não mencionados na Bíblia, mas a denominação vem dos tempos dos gregos, e persiste até o presente. Tem o sentido norte-sul. A do oeste é chamada Líba­no; a do Leste: Antelíbano. Nas encostas desses mon­tes, cresciam os famosos "cedros do Líbano" (1 Rs 5.6; SI 92.12). Esses montes são várias vezes citados nas Escrituras.
4) Hermom. Fica no Sul dos montes Antelíbano, sendo o limite norte da Palestina. Tem outros nomes na Bíblia. Atinge mais de 3.000 metros de altitude. Está sempre coberto de gelo e neve. Pode ser avistado de muito longe devido à sua imponência e alvura (Dt 3.8,9; SI 42.6; 133.3).
5) Seir. Região montanhosa de Edom, ao sul do mar Morto (Gn 14.6; 32.3; 36.8; Js 24.4).
6) Nebo. O mais elevado pico do Monte Pisga, nas mon­tanhas de Abarim (Nm 33.47). Fica a leste da foz do Jordão, na terra de Moabe. Do monte Nebo Moisés avistou a Terra Prometida (Dt 34.1). São dois pontos da mesma serra.
Rios
1) Nilo (Gn 41.1). Foi no seu delta (terra de Gósen) que o povo israelita permaneceu no Egito (Gn 47.6). Foi nas águas deste rio que o pequenino Moisés flutuou (Êx 2.3). É portanto um rio ligado à história do povo esco­lhido.
2) Tigre (Hb. "Hidéquel"). Corre no Oriente da Mesopo-tâmia. Às suas margens ficava a grande cidade de Nínive. Foi às margens deste rio que um anjo apare­ceu a Daniel (Dn 10.4). Banhava a Assíria.
3) Eufrates (Gn 2.14; Ap 16.12). É, às vezes, citado sim­plesmente como "o grande rio". Banhava a cidade de Babilônia. O Tigre e o Eufrates se unem no final de seus cursos. O trecho assim percorrido é chamado Chat-el-Arab. Em tempos remotos, desembocavam separados no Golfo Pérsico (Gn 2.14).
Outros três grandes rios ligados aos povos bíblicos mas não mencionados na Bíblia são o Leontes e o Orontes, na Síria, o Tibre na Itália, banhando a cida­de de Roma.
(Outros rios serão mencionados quando tratarmos da Palestina.) Cidades
1)Ur. Na Caldéia ou Sinar (Gn 11.28). Terra de Abraão. Cidade-reino importantíssima. Elevada ci­vilização. Cultura anterior à do Egito.
2) Nínive. (Gn 10.11; Jn 3.1ss). Capital da Assíria, às margens do Tigre. Grande biblioteca do rei Assurba-nipal.
1. Damasco. (Gn 15.2; At 9.1ss; Gl 1.17). Capital da Síria. É a mais antiga cidade do mundo continua­mente habitada.

4) Mênfis. Mesmo que Nofe (Os 9.6). Capital do Antigo Império do Egito. Época das pirâmides. Tempo de Abraão. 15 km ao sul do Cairo. Para aí fugiram parte dos judeus remanescentes, após a destruição de Je­rusalém por Nabucodonosor (Jr 44.1).
5) Babilônia. O mesmo que Babel (Gn 10.10). Capital do império do mesmo nome. Seus jardins suspensos eram uma das sete maravilhas do mundo antigo. Ci­dade ímpia, vaidosa, orgulhosa. Foi no império babi-lônico que os judeus estiveram exilados por 70 anos (Jr 25.11).
6) Harã. (Gn 11.31). Importante cidade ao norte da Mesopotâmia. Ficava no extremo Norte do reino de Mari. Aí habitou Abraão até a morte de Terá, seu pai, quando, então, reiniciou a jornada para Canaã (At 7.4).
7) Tiro. (2 Sm 6.11; Mt 15.21; At 21.3). Grande porto marítimo da antiga Fenícia. Jesus pregou nessa re­gião (Mc 7.24). Hoje chama-se Sar e pertence ao Líbano. Os tírios foram navegantes e comerciantes famosos.
8) Sidom (Js 19.28; 1 Rs 17.9; Lc 6.17; At 27.3). É mo­dernamente a cidade de Saída, Era também impor­tante cidade da Fenícia. Paulo tinha amigos aí e visi­tou-os quando na viagem para Roma (At 27.3). Per­tence hoje ao Líbano.
9) Atenas (At 17.15; 1 Ts 3.1). Era a capital da Ática -uma das províncias da Grécia. Foi célebre centro de ciência, literatura e artes do mundo antigo. Era no-tadamente idolatra (At 17.16-23).
10) Êfeso (At 18.19; Ef 1.1; Ap 2.1). Era a capital da província da Ásia, na Ásia Menor. Era uma das maiores cidades do Império Romano. Paulo realizou aí um grande trabalho missionário (At 19.8-10).
11) Roma. Cidade da Itália, capital do Império Romano (At 19.21; Rm 1.7; 2 Tm 1.17). Edificada à margem esquerda do rio Tibre. Foi capital política e cultural do mundo por muitos séculos. Aí escreveu Paulo vá­rias de suas epístolas, quando preso.
A Palestina ou Canaã

Agora nos deteremos para estudar com detalhes o país mais importante da Bíblia: a Palestina ou Canaã, moder­namente chamado Israel (se bem que o território do mo­derno Israel não é exatamente o mesmo dos tempos bíbli­cos). Fatos sobre a Palestina
• Prometida por Deus aos hebreus (Gn 15.18; Êx 23.31 e refs.)
• Centro geográfico do mundo, sob o ponto de vista divino (Ez 5.5).
• Melhor terra do mundo (Ez 20.6).
• Os judeus seriam um povo separado das demais nações (Lv 20.24; Nm 23.9; Dt 33.28; Jr 49.31; Mq 7.14).
• Por que Deus elegeu e chamou a nação israelita? (Gn 3.15; Êx 19.6; Dt 7.6; Rm 3.2; 9.4,5)
Nomes pelos quais é conhecida a Palestina
• Canaã (Gn 13.12)
• Terra dos Amorreus (Js 24.8)
• Terra dos Hebreus (Gn 40.15)
• Terra de Israel (1 Sm 13.19; Mt 2.20)
• Terra de Judá, Judéia (Ne 5.14; Is 26.1; Jr 40.12; Jo 3.22)
• Terra do Senhor (Os 9.3)
• Terra da Promessa (Hb 11.9)
• Palestina (Êx 15.14)
• Terra Santa (Zc 2.12)
• Terra Formosa (Dn 8.9)
• Israel (modernamente) Limites da Palestina
• Sul: Arábia (Cades-Barnéia e Ribeiro El-Arish (o "rio do Egito" em Gênesis 15.18).
• Norte: Síria e Fenícia.
• Oeste: mar Mediterrâneo. Na Bíblia: mar Grande
• Leste: Síria e Arábia.
Superfície comparada: Menor que a do nosso Estado de Alagoas. Alagoas tem 27.731 km2 ao passo que Israel atual tem 20.770 km2. No Antigo Testamento seu comprimento era de 250 km (de Dã a Berseba). Largura: cerca de 88 km. Capital. Teve várias capitais, a saber:
• Gilgal (no tempo de Josué)
• Silo (no tempo dos Juizes)
• Gibeá (no tempo de Saul)
• Jerusalém (da época de Davi em diante). Seu primeiro nome foi Salém, depois Jebus, mais tarde Jerusalém.
• Mispd (durante o cativeiro babilônico e por pouco tem­po) (Jr 40.8)
• Cesaréia (Durante o domínio romano).
• Tiberíades. Após a revolta de Bar-Cocheba, em 135 d.C. Detalhes indispensáveis sobre Jerusalém
• Jerusalém foi fundada pelos hititas (Nm 13.29; Ez 16.3). A cidade fica a 21 km a oeste do mar Morto, e 51 km a leste do mar Mediterrâneo. Está edificada sobre um promontório, a 800 m de altitude. A leste da cidade fica o monte das Oliveiras. A oeste e ao sul fica o vale de Hinon (em gr. Gee-na). A cidade nos tempos bíblicos dividia-se em 5 zonas ou bairros.
• Ofel, a sudeste.
• Moriá, a leste.
• Bezeta, ao norte.
• Acra, a noroeste.
• Sião, a sudoeste.
Um vale interno chamado Tiropeon, corre de norte a sul. Muitas de suas portas são mencionadas na Bíblia, mor­mente no livro de Neemias. Outras são citadas no NT, como em João 5.2 e Atos 3.2.
Na distribuição da terra de Canaã, Jerusalém ficou situa­da no território de Benjamim (Js 18.28). Foi conquistada em parte por Judá, mas pertencia de fato a Benjamim (Jz 1.8,21). Sua população tinha povo de Ju­dá e Benjamim (Js 15.63). Não ficava, pois, no território de Judá (Js 15.8).
Saindo do jugo romano, caiu em poder dos árabes em 637 d.C. e, salvo uns 100 anos, durante as Cruzadas, foi sempre cidade muçulmana. Em 1518 os turcos conquistaram-na. Em 1917, os britânicos assumiram o controle quando a Pa­lestina ficou sob o seu mandato por decisão da Liga das Nações. A partir de 1948, passou a ser cidade soberana (o setor novo), porém, na Guerra dos Seis Dias, em 1967, Is­rael a reconquistou das mãos dos árabes, os quais dela ti­nham se apossado na guerra de 1948. Jerusalém será metrópole mundial durante o Milênio, quando estará vestida do seu prometido esplendor (SI 102.16; Is 2.3; Zc 8.22).

Nesse tempo, Israel estará à testa das nações (Dt 28.1,13; 15.6), e desempenhará afinal o papel que Deus lhe reser­vou, conforme lemos em Êxodo 19.6. Divisão política da Palestina
• No Antigo Testamento, foi a Palestina repartida entre as 12 tribos de Israel.
• No NT, a divisão política já foi apresentada no Cap. VI desta matéria.

Mares da Palestina
• Mar Mediterrâneo. É na Bíblia chamado mar Grande, e mar Ocidental.
• Mar Morto. Aparece sob vários nomes no Antigo Testa­mento, como: mar Salgado, (Gn 14.3); mar de Arabá (Dt 3.17), etc.
• Mar da Galiléia. Outros nomes: mar de Quinerete (Nm 34.11), mar de Genesaré (Lc 5.1), e, mar de Tiberíades (Jo 21.1).
Rios da Palestina
• Jordão, que corre no sentido norte sul. Nasce no monte Hermon e deságua no mar Morto.
• Querite. Desemboca no Jordão, margem ocidental. É um "uádi."
• Cedrom. Banha Jerusalém, lado leste. É também um "uádi", isto é, rio temporário.
• Jaboque (Gn 32.22; Js 12.2). É afluente do Jordão, mar­gem oriental.
• Iarmuque. Afluente do Jordão, margem oriental. Não é citado na Bíblia. Deságua ao sul do mar da Galiléia.
• Arnom (Nm 21.13; Js 12.1). Deságua no mar Morto, margem oriental. Era o limite sul da Palestina, frente oriental.
• Quisom (1 Rs 18.40). Deságua no mar Mediterrâneo, perto do monte Carmelo.
Montes da Palestina
• Tabor, na Galiléia. Altitude: 615 metros. (Jz 4.6). A transfiguração de Jesus (Mt 17.1,2) crê-se tenha ocorrido aí.
• Gilboa, em Samaria (1 Sm 31.8; 2 Sm 21.12). Altitude: 543 metros.

• Carmelo, em Samaria (1 Rs 18.20). Seu ponto mais alto é 575 metros. Fica no promontório que forma a baía de Acre, onde se localiza a moderna cidade de Haifa.
• Ebal e Gerizim (dois montes), em Samaria (Dt 11.29; 27.1-13).
• Moriá, em Jerusalém. Ali, Abraão ia sacrificar Isaque (Gn 22.2), e, Salomão construiu o templo de Deus (2 Cr 3.1).
• Sido, em Jerusalém, a sudoeste. Altitude: cerca de 800 metros. O local e o termo "Sião" são usados de modo diverso na Bíblia. Na poesia bíblica, por exemplo, significa toda a cidade de Jerusalém, como no Salmo 133.3. O termo é também aplicado em alusão ao Céu (Hb 12.22; Ap 14.1).
• Monte das Oliveiras, em Jerusalém (Zc 14.4; Mt 24.3; At 1.12). Aí Jesus orou sob grande agonia, na noite em que foi traído (Lc 22.39,44).
• Monte Calvário. (Lc 23.33). Local onde Jesus foi crucifi­cado, e próximo do qual foi sepultado; fica fora dos muros da cidade de Jerusalém na sua parte norte. Era uma eleva­ção à beira de uma estrada. Próximo ao local da crucifica-ção deu-se a ressurreição (Jo 19.41). Aí, em 1885, o General Gordon descobriu um túmulo, cujas pesquisas revelaram nunca ter sido ocupado. Passou à ser tido como o de Cristo.
Clima da Palestina
O tipo de relevo do solo da Palestina resulta numa su­perfície muito variada, com muitas regiões elevadas e mui­tas baixas, originando toda espécie de climas, desde o tro­pical, no Jordão, até o de intenso frio, no Hermom, a 2.815 metros de altitude. A faixa litorânea tem uma temperatu­ra média de 2 graus. No vale do Jordão, a temperatura sobe a 40 graus centígrados. A temperatura média de Jeru­salém é de 22 graus. Em janeiro chega a 4. É devido a essa variedade de climas que a Palestina presta-se a toda espé­cie de cultura. Resumo Histórico da Palestina até o Tempo Presente
1) Conquistada pelos israelitas sob Josué em 1451-1445 a.C.
2) Governada por juizes: 1445-1100 a.C.
3) Monarquia: 1053-933 a.C.
4) Reinos divididos de Judá e Israel: 933-606 a.C.
5) Sob os babilônios: 606-536 a.C.
6) Sob os persas: 536-331 a.C.
7) Sob os gregos: 331-167 a.C.
8) Independente, sob os Macabeus: 167-63 a.C.
9) Sob os romanos: 63 a.C. - 634 d.C.
10) Sob os árabes: 634-1517 d.C. Período das Cruzadas: 1095-1187. (As Cruzadas foram tentativas do cristia­nismo, para libertar a Palestina das mãos dos muçul­manos árabes.)
11) Sob os turcos, como Império Otomano: 1517-1914 d.C. Os turcos também são muçulmanos, apenas têm mais influência oriental.
12) Sob os ingleses (protetorado), por delegação da Liga das Nações: 1922-1948.
13). Em 14.5.1948, foi proclamado o ESTADO DE IS­RAEL, com a estrutura de república democrática. O primeiro governo autônomo judaico em mais de 2.000 anos! De agora em diante cumprir-se-á Amos 9.14,15! Os sete povos cananeus, primitivos habitantes da Palesti­na (Êx 33.2; Dt 7.1; 20.17).
1) Heteus ou Hititas. Um dos três mais poderosos povos do Oriente Médio. Os outros dois foram os egípcios e os mesopotâmios. O núcleo central ficava na Ásia Menor, perto de Ancara. Eram camitas (Gn 10.16).
2) Girgaseus. Eram camitas (Gn 10.16)
3) Amorreus ou Amoritas. Eram camitas (Gn 10.16). Seu reino ficava em Mari, próximo a Mitâni, região de Ha-rã.
4) Cananeus. Eram camitas (Gn 10.16).
5) Pereseus ou Fereseus. (Gn 13.7). Não se sabe a origem. Nada têm com os fariseus do Novo Testamento, que eram um grupo religioso.
6) Heveus ou Horeus (Gn 14.6; Dt 2.12,22). São os huma­nos da História. Eram camitas (Gn 10.17).
7) Jebuseus. Eram camitas (Gn 10.16).
Neles cumpriu-se a profecia de Noé em Gênesis 9.25. A localização das doze tribos de Israel na Palestina
Tribos a leste do Jordão: 3 - Manasses (parte), Gade, Rúben.
Tribos litorâneas: 5 - Aser, Manasses, Efraim, Dã (par­te), Judá.
Tribos centrais: 4 - Naftali, Zebulom, Issacar, Benja­mim.
Tribos dos limites Norte, e Sul: 2 - Dã (parte), Simeão.
(Norte e Sul, respectivamente). Outros aspectos da Geografia Bíblica
O estudante da Bíblia pode por si só estudar inúmeros outros pontos e aspectos da geografia bíblica, tanto no An­tigo como no Novo Testamento, uma vez que o assunto não requer maiores investigações no próprio texto bíblico. Exemplos de assuntos:
1. As cidades visitadas por Jesus. Estão mencionadas nos quatro evangelhos.
2. As viagens missionárias do apóstolo Paulo. Através do relato bíblico podemos acompanhar o apóstolo nessas viagens, vendo as cidades onde o grande missionário tra­balhou e estacionou. (At caps. 13 a 28).
3. As sete igrejas da Ásia (província) mencionadas no Apo­calipse. (Caps. 2 e 3 de Apocalipse). O estudante pode facilmente localizar essas cidades num bom mapa bíbli­co do Mundo Bíblico do Novo Testamento.
Há quatro mapas indispensáveis para um estudante de Geografia Bíblica. Esses 4 mapas o estudante deve, não somente saber interpretá-los, mas também reproduzir seus perfis e generalidades, à mão livre. Esses mapas são:
• O mundo Bíblico do Antigo Testamento.
• O mundo Bíblico do Novo Testamento.
• A Palestina do Antigo Testamento.
• A Palestina do Novo Testamento,
EU NAO SABIA E VOCE?

2 comentários:

Ev. Israel Trota disse...

Bom, como professor de Geografia Bíblica quero parabenizá-lo pelo excelene e didático artigo postado. Amar a Bíblia deve ser o motivo gravitacional da espirtualidade do crente.
Saudações em Cristo.
Seu co-irmão ministerial.
Ev. Israel Trota

www.santajerusalem.com disse...

A Santa Jerusalém – Artigos Religiosos
Tem o orgulho de apresentar o segundo capítulo do nosso documentário, aproveitem! www.santajerusalem.com
http://www.youtube.com/watch?feature=player_embedded&v=D79ze4KN20A